CABO FRIO – Reunião faz balanço da segurança do Carnaval em Cabo Frio

Encontro convocado pela presidente da Associação Centro Forte, Patricia Cardinot, também debateu projeto de monitoramento

 

Em reunião realizada na manhã desta terça-feira (12) no auditório do Leste Shopping, no Centro de Cabo Frio, autoridades de segurança pública e da Prefeitura fizeram um balanço positivo das ações realizadas durante o Carnaval. O encontro foi convocado pela presidente da Associação Centro Forte, Patricia Cardinot. Com um olhar para o futuro, os participantes debateram também o projeto de monitoramento da Praia do Forte e do Boulevard Canal por câmeras de segurança, que já foi apresentado por Patricia Cardinot ao prefeito Adriano Moreno (Rede).

“Precisamos unir forças. Temos que ser agregadores. Não adianta passarmos tempo apenas reclamando do poder público”, disse Patricia, em sua primeira fala durante a reunião.

O delegado Sérgio Caldas, titular da 126ª DP (Cabo Frio), destacou o planejamento realizado pela Polícia Militar para garantir a segurança dos turistas e moradores da cidade no Carnaval. “Achei muito positivo. Tivemos um caso pontualíssimo: um marginal que tentou praticar um assalto, resultando em troca de tiros. O marginal acabou morrendo, e uma jovem foi atingida. Mas imediatamente a polícia atuou e prendeu o elemento que fez os disparos. A PM fez um planejamento muito bom, e a Guarda e a Prefeitura agregaram muito”, avaliou ele.

Sérgio Caldas também elogiou a proposta de implementação do projeto de monitoramento em Cabo Frio. “Acho perfeitamente possível. Alguns estados já deram esse passo. É muito importante termos a tecnologia alimentando o sistema de inteligência” disse. O coronel Costa Junior, que representou a secretaria de Ordem Pública, concordou. “O sistema de segurança vai prevenir. Até mesmo a placa com o recado “você está sendo filmado” ajuda. Isso reprime o ato criminoso ou contravencional”.

Durante a reunião, Patricia Cardinot pediu que fosse levado ao prefeito Adriano a sugestão de que a Ronda Ostensiva Municipal (Romu) passe a utilizar o posto de vigilância da Praça Porto Rocha, que antigamente ficava com a PM. “Há muitos moradores de rua na praça, em cima do coreto… São pessoas que precisam ser bem atendidas pelo poder público. Mas sabemos que há, inclusive, venda de drogas. Isso pode ser coibido com a presença da Romu”, disse.

Ela também indicou a necessidade de ordenamento no canto da Praia do Forte. “Há famílias incomodados por conta de gente fumando maconha no local e, também, levando caixa de som, mesmo fora do Carnaval. Precisamos não só da ação da PM, mas da Coordenadoria de Posturas e da Guarda Municipal também”, disse. “Também precisamos que a Praia do Forte seja ordenada para termos acesso ao mar, já que não temos um só vão entre as barracas. Além disso, a venda de moda praia é inaceitável e prejudica a Rua dos Biquínis, polo conhecido internacionalmente e que também está em crise. Creio que a venda de cangas também deva ser de fabricantes da nossa cidade. Temos que olhar para o comerciante e o empresário local. Como eles vivem e sobrevivem?”, questionou Patricia, que também cobrou melhorias nas condições de trabalho dos guardas municipais.

Entre os participantes da reunião estavam o capitão Leandro Alcântara, representando o comandante do 25º BPM, Roberto Dantas; a major Thais Gomes, representando o comandante do 18º GBM, Marcelo Fidalgo; Isabella Martins, da Secretaria de Mobilidade; Maria do Socorro, presidente da Associação de Moradores do Tangará e presidente da União das Associações dos Moradores de Cabo Frio (Uniamacaf); Adson Lopes, chefe da Guarda Civil Municipal; e Eduardo Rosa, presidente da Associação Comercial e Industrial de Cabo Frio (Acia).