COLUNA DO EDU – A influência da Bíblia, a biblioteca do Espírito Santo, nas civilizações

Por Eduardo Moreira

Vós examinais as Escrituras, pois julgais ter nela a vida eterna; e são elas que dão testemunho de mim (Jô 5:39).

 

A Bíblia não é fruto da lucubração humana ; é revelação divina.Ela não procede da terra; vem do céu. Sua origem está em Deus, não no homem.
A Bíblia é o farol que alumia as nações. Todas as civilizações que foram edificadas sobre o alicerce das Escrituras prosperaram. Onde a luz chega , as trevas não podem prevalecer.Onde a verdade é anunciada, o erro é desmascarado. Onde o conhecimento é buscado , a ignorância e o misticismo não florescem. Foi por isso que as nações que cresceram bebendo o leite genuíno da Palavra de Deus floresceram e progrediram, enquanto aquelas que taparam seus ouvidos à voz da verdade ficaram imersas na problema material e num obscurantismo medonho.
Os grandes avanços sociais que a humanidade conhece são resultado do exame das Escrituras e da obediência aos seus princípios.


A Bíblia é o livro dos livros. Inspirado por Deus, escrita por homens,concebida no céu, nascida na terra, odiado pelo inferno, pregada pela igreja, perseguida pelo mundo e crida pelos fiéis.
A Bíblia é o livro dos paradoxos; é o livro mais lido no mundo e ainda desconhecido por grande parcela da humanidade. É o livro mais amado e o mais odiado. É o livro mais obedecido e o mais escarnecido. É o livro mais pregado e o mais combatido.
A Bíblia tem sido o farol de Deus na escuridão da história. A Bíblia é o livro de Deus. É o livro que muitas vezes acorrentado trouxe libertação. É o livro que muitas vezes jogado nas fogueiras da intolerância e do preconceito tem tirado vidas das chamas do inferno. É o livro que muitas vezes sendo alvo de ódio consumado tem ensinado o perdão. A Bíblia é o livro por excelência, é o maior de todos os livros, é o livro de Deus, do céu, a biblioteca do Espírito Santo.
É tempo de voltarmos à centralidade das Escrituras. Ela precisar alumiar nossos passos e clarear nossos caminhos. Ela é a nossa única norma de vida e a nossa única regra de fé.
Que Deus nos abençoe!