JUVENTUDE ALDEENSE COM WAGNER MUNIZ – Representatividade

Por Wagner Muniz

O dia 20 de Novembro é o Dia da Consciência Negra, a data faz referência ao dia da morte de Zumbi dos Palmares, uma grande figura de resistência frente à escravidão no Brasil. Sua imagem vive e pode ser vista em cada pessoa que se identifica com suas origens, luta por liberdade, acredita em seus sonhos e “faz da insegurança sua força e do medo de morrer seu alimento, por isso me parece imagem justa para quem vive e canta no mal tempo” — Dandara —. A importância desta data está no reconhecimento dos adolescentes na constituição e construção desta República.

Mesmo após 130 anos da abolição da escravatura, não conseguimos superar o racismo diário, basta olharmos os mapas da violência e da pobreza no Brasil, infelizmente os números tem cor, raça e endereço. Precisamos mudar essa estatística que nos mata todos os dias, a educação e a cultura são alguns caminhos e também representatividade do negro na sociedade. Ocorre que, nos últimos anos, a busca por representatividade na mídia, cargos políticos e demais áreas, abrangendo diversos setores da sociedade tem se tornado crescente.

De acordo com dados do IBGE, 54% da população é negra e apenas 4% ocupam cargos de liderança, e o mais irônico é que o negro no mundo corporativo é praticamente invisível, principalmente nos cargos de liderança, irônico é achar que representatividade não é importante, esta discussão é válida não somente no caso racial. As crianças negras precisam sentir-se representadas pois como irão imaginar-se sendo médicas, artistas, jornalistas, professoras, cineastas, juízas ou qualquer outra profissão, se não exergarem pessoas como elas nesses cargos em novelas e filmes?

Segundo o Legislador aldeense, Ediel Teles, é de suma importância a criança ter essa representatividade, levando em conta a nossa bagagem histórica, pois se nossos meninos e meninas tiverem acesso à diversidade irá compreender melhor e construir a sua percepção de mundo a partir disso. O fato é que, se uma criança obtiver a possibilidade de brincar com bonecas negras e heróis negros isso construirá nela uma percepção de que o mundo é plural e que não há sujeito universal. Sendo, assim, essas formas de ser e existir é importantíssima para as crianças negras tornarem-se pessoas conscientes que o mundo é diverso e colorido.

 

SIGA O WAGNER MUNIZ NO INSTAGRAM – CLICK NA IMAGEM ABAIXO