RIO DAS OSTRAS – Roda de conversa sobre valorização da história da mulher negra é realizada em Rio das Ostras

Evento promovido pelo Sindicato dos Professores da Rede Particular de Ensino de Macaé e Região é realizado das 10h às 15h deste sábado em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e ao Dia de Tereza Benguela.

 

Uma roda de conversa com o tema “Mulheres negras contam sua história” está sendo realizada na Confraria do Jamelão que fica na Rua Vitória, quadra 17, lote 2, no bairro Recreio, em Rio das Ostras, no interior do Rio. O evento gratuito é promovido pelo Sindicato dos Professores da Rede Particular de Ensino de Macaé e Região.

Evento discute histórias e representatividade da mulher negra em Rio das Ostras, no RJ (Foto: Ascom Sinpro Macaé)

Segundo o Sinpro, o evento estava planejado para terminar às 13h, mas devido ao bom rendimento das conversas será extendido até as 15h.

A organização informou que a roda é em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americano e Caribenha e ao Dia de Tereza Benguela. Além das conversas, o sindicato também oferece uma oficina de turbantes chamada “A força da identidade negra e seu empoderamento”.

Segundo uma das diretoras do Sinpro Macaé e Região, Rosilene Macedo, o evento reforça a responsabilidade do sindicato de levantar temas que são urgentes na sociedade.

“O Sindicato tem um papel preponderante para levantar temas importantes para a atuação e formação do professor. Aproveitamos este dia para abordar as políticas de afirmação das mulheres negras, valorizando a formação de nosso povo. Falaremos da questão da violência crescente, da desvalorização desta mulher no mercado de trabalho, entre outros. Isso é importante para desenvolvermos nosso conhecimento”, explicou Rosilene.

Rosilene disse ainda que trazer a memória de Tereza de Benguela, uma mulher de resistência, que para muitos é desconhecida, é bem especial.

“Ela foi uma mulher à frente de seu tempo e construiu um verdadeiro império, tanto que era chamada de Rainha Tereza. Nós professores gostamos de diálogo e precisamos estar nestas conversas sobre e para a educação”, concluiu.

Fonte G1/Inter TV