SÃO PEDRO DA ALDEIA PARTICIPA DE CAPACITAÇÃO SOBRE COMPLEXIDADE DO CUIDADO NA ATENÇÃO DOMICILIAR

A Prefeitura de São Pedro da Aldeia, por meio da Secretaria de Saúde, participou de uma capacitação sobre Complexidade do Cuidado na Atenção Domiciliar, realizada no Hospital Alemão Osvaldo Cruz (HAOC), em São Paulo. O diretor de Atenção Domiciliar, Júnior Curcino, representou o município. São Pedro da Aldeia é a única cidade da Região dos Lagos a integrar o projeto Complexidade do Cuidado na Atenção Domiciliar (CCAD – 2018/2020); nem todos os municípios que possuem o programa Melhor em Casa estão contemplados. O objetivo do CCAD é qualificar a gestão, os processos de trabalho e as equipes dos Serviços de Atenção Domiciliar (SADs). A próxima etapa acontecerá em agosto, onde acontecerão as visitas em SADs de referência.

De acordo com o diretor de Atenção Domiciliar, Júnior Curcino, a capacitação é importante porque dinamiza a saúde, otimiza tempo e melhora a gestão de pessoas. “Ela envolve tanto a parte administrativa como capacita os profissionais para o atendimento e o cuidado com esse domiciliado, então quem ganha é o paciente. Quando participo desses eventos, eu multiplico esse conhecimento com a equipe, faço reuniões e esquematizo tudo o que foi falado. Com essas capacitações, ficamos no padrão do Ministério da Saúde; quanto mais próximo estivermos do padrão ministerial, mais nos tornamos um Serviço de Atenção Domiciliar (SAD) modelo. São Pedro da Aldeia já está escalado para a próxima etapa, que será um benchmarking, onde visitaremos SADs modelos, que já são referência de atendimento. Nossa secretária de Saúde, Francislene Casemiro, tem sempre dado o apoio necessário para a gestão e isso é muito importante”, disse o diretor de Atenção Domiciliar, Júnior Curcino.

O “Melhor em Casa”, implementado na cidade desde novembro de 2017, atua primeiramente na desospitalização do paciente. De acordo com o perfil estipulado pelo Ministério da Saúde, uma equipe multiprofissional é enviada aoPronto-Socorro para avaliar o paciente em questão e se o mesmo se encaixa no atendimento do programa. Caso haja o perfil, o desospitalizado é enviado para casa e o tratamento é iniciado. A periodicidade das visitas é definida de acordo com a comorbidade e a necessidade do paciente. Atualmente, cerca de 120 pessoas são atendidas pelo programa por mês.

Para realizar o cadastro no “Melhor em Casa”, é necessário carteira de identidade do paciente e de um cuidador responsável, cartão do SUS e um laudo médico de incapacidade. Após o cadastro na Secretaria de Saúde, a equipe entra em contato para avaliação. A equipe multiprofissional do programa é composta por, no mínimo, um enfermeiro, três técnicos de enfermagem, um médico, um fisioterapeuta, uma assistente social, uma nutricionista e uma psicóloga. O acompanhamento é realizado com todos os familiares que convivem com o paciente.

 

 

Fonte ASCOM/PMSPA

Por Luana Macêdo