São Pedro e Iguaba conseguem excelente colocação no Ranking de Eficiência dos Municípios – Folha

Ferramenta inédita lançada pela Folha de São Paulo em conjunto com o Datafolha neste ano eleitoral mostra quais prefeituras entregam mais serviços básicos à população usando menor volume de recursos financeiros.

Na Região dos Lagos, Iguaba Grande e São Pedro da Aldeia foram classificados como municípios EFICIENTES. No Ranking, Iguaba Grande aparece a frente com 0,596 pontos no RMF-F, seguido de São Pedro da Aldeia com 0,512 pontos. 

Ranking de Eficiência dos Municípios

Búzios, com 0,470 pontos foi classificado com ALGUMA EFICIÊNCIA no RMF-F.

Saquarema (0,442), Cabo Frio (0,434), Maricá (0,418) e Macaé (0,401) foram classificados com POUCA EFICIÊNCIA , segundo o RMF-F. 

Rio das Ostras, com 0,378 pontos foi classificado como INEFICIENTE

Araruama e Arraial do Cabo não aparecem no Ranking e não foram avaliados. Segundo o Folha de S. Paulo, estes municípios não fazem parte do REM-F porque apresentaram dados inconsistentes ou incompletos em relação aos demais.

Para pesquisar outros municípios e conferir acesse aqui!

O Ranking de Eficiência dos Municípios – Folha leva em conta indicadores de saúde, educação e saneamento para calcular a eficiência da gestão e apresenta dados de 5.281 municípios, ou 95% do total de 5.569.

Numa escala de 0 a 1, só 24% das cidades ultrapassam 0,50 e, por isso, podem ser consideradas eficientes. Pesquisa nacional do Datafolha mostra que só 26% dos brasileiros aprovam a gestão de suas prefeituras.

No topo do ranking está Cachoeira da Prata (MG), com 3.727 habitantes e heranças deixadas pelo passado industrial forte. Na rabeira estão cidades do Norte, Centro-Oeste e o Rio Grande do Sul.

O levantamento revela que nos 5% menos eficientes, com índice de até 0,30, o funcionalismo cresceu 67% entre 2004 e 2014, em média. A população aumentou 12% no período.

Em crise, os municípios espelham também alguns dos principais desafios do país, como o crescimento do gasto público, a dependência de verbas federais, a perda da dinâmica da indústria e a ascensão do agronegócio.

Fonte FOLHA DE S.PAULO