Wagner Muniz sofre ataques racistas durante Programa ao vivo no YouTube

Nesta terça-feira (21), por volta das 19h da noite, durante a estreia do programa “Uma Prosa – Podcast”, apresentado ao vivo por Raíra Morena, no YouTube teve como convidado estreante o jovem aldeense Wagner Muniz e Estudante de Direito, que infelizmente foi surpreendido por comentários racistas durante a transmissão da live por uma pessoa supostamente chamada “Gabriel Silva”. O perfil, sem foto, além de ter proferido diversos comentários com cunho racistas, propagou discurso de ódio e incorreu possivelmente na prática de crimes contra a honra.

O advogado criminalista, Dr. Guilherme Teixeira é o advogado que está acompanhando o caso.

Leandro Gomes, afilhado de Wagner Muniz (no curso de Direito da Estácio) repreendeu a prática de Gabriel Silva nos comentários: “(…) cuidado com as acusações que estão sendo feitas por você, esse é um programa que é aberto ao público e gravado. Isso pode te trazer problemas futuros!”, disse o também Estudante de Direito da Universidade Estácio de Sá, campus Cabo Frio – RJ.

Foto do Registro de Ocorrência, feito por Wagner Muniz e seu advogado Dr. Guilherme Teixeira na CIDPOL.

A apresentadora escolheu Wagner como convidado estreante de seu programa pelo motivo que, além de serem amigos, Raíra acompanha o jovem desde o colegial, onde já possuía o perfil ativista voltado para a defesa de direitos de cidadania e participação sociopolítica de crianças, adolescentes e jovens de dentro e fora do município de São Pedro da Aldeia – RJ. Muniz também é Estudante de Serviço Social (UFF), Influenciador Digital, Voluntário no UNICEF BRASIL e empenhado da propagação do Acesso à Informação, Educação e Garantias Fundamentais.

Wagner Muniz com a apresentadora e host do Programa “Uma Prosa – Podcast”, Raíra Morena.

Dentre uma das falas de Wagner sobre a importância dos exercícios dos Direitos de Cidadania e ressaltando a importância dos estudos na vida do jovem, o ‘hater’ Gabriel Silva indagou nos comentários: “O que adianta falar esse tanto de coisa? Daqui a pouco você (Wagner) sai do podcast e tá roubando um pai de família. (…) Odeio gente falsa”, disse Gabriel Silva em um dos seus inúmeros comentários visando atingir a honra e reputação do jovem ativista de 22 anos.

Sara Santana Santos, amiga pessoal de Wagner, foi uma das pessoas que rebateram os comentários proferidos por Gabriel Silva, onde a amiga do influencer disse: “Gabriel a inveja dói né… se sua luz nao brilha, é pq vc nao é uma boa pessoa.. bjs de luz.. se nao gosta, saia da live”, após o sujeito ter dito que não estava gostando do programa e que o Wagner estava mentindo, Gabriel retrucou e disse, “Tenho inveja de assaltante não, Sara”, chamando o influenciador digital de assaltante.

Os amigos, seguidores, familiares e assessoria do ativista imediatamente rebateram os comentários proferidos pelo sujeito ao convidado do podcast. Segundo Wagner: “O que mais me incomoda é o fato que algumas pessoas pensam que, o fato de estarem por detrás de um computador ou celular, podem falar o que quiserem na internet e ficará por isso. Mas, não é bem assim. Essa prática é crime e tem que ser apurada. E o sujeito que as praticou tem que ser responsabilizado pelo crime cometido. Recebi total apoio e solidariedade da minha equipe, apoiadores, seguidores, família, da apresentadora do programa e principalmente do meu advogado Dr. Guilherme Teixeira para fazermos as representações criminais e registrar as ocorrências nos órgãos competentes”, disse o mobilizador social.

O caso está sendo acompanhado pelo advogado criminalista Dr. Guilherme Teixeira, que possui sede funcional em Cabo Frio – RJ e é especialista em Direito Penal e Processo Penal. Segundo o advogado: “A sociedade está doente e isso está se tornando cada vez mais evidente, onde as pessoas agem como se estivem em um estado de anomalia (sem lei), onde a sensação de impunidade cresce ferozmente. Wagner é um influenciador do bem e quando ele chegou até mim e apresentou o caso, imediatamente o abracei e fomos buscar as medidas necessárias para diligenciarmos e noticiar o fato criminoso na Polícia Civil – Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), que fica localizada na CIDPOL – Cidade da Polícia. Sim, fomos buscar uma delegacia especializada para tratar do caso”, enfatizou o renomado patrono.

GAT I prende homem com drogas na Favela do Lixo em Cabo Frio

GAT I prende homem com drogas na Favela do Lixo em Cabo Frio

Com informações da Polícia Militar, na quarta-feira (17), após informação de que elementos estariam traficando na localidade conhecida como “CORO COME” na Favela do Lixo, na Rua Sete, Manoel Corrêa , Cabo Frio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *