SÃO PEDRO DA ALDEIA – Rottweiler ataca menino de 9 anos e vizinhos atiram pedras para salvá-lo

Família pretende entrar na Justiça contra donos do animal. Portão de onde animal saiu pode ter sido danificado antes, diz polícia.

cachorro ataca criança em São Pedro

Menino foi levado para o hospital após ser mordido (Foto: Arquivo Pessoal)

Um menino de 9 anos está internado após ser atacado por um cachorro da raça Rottweiler, em São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos do Rio, na noite da última sexta-feira (3). Ele foi salvo por vizinhos, que conseguiram afastar o cachorro com pedras e paus ao ouvirem o menino gritar por socorro. Ele está internado em Macaé, no interior do Rio, com ferimentos na perna, no pé, no tórax, nas costas e nas nádegas.

De acordo com o pai, Luiz Fernando, o ataque aconteceu quando o menino passava com alguns amigos em uma rua próxima da que mora, no bairro Campo Redondo.

“Eles entraram na rua, o cachorro empurrou o portão, na hora que o cachorro saiu os amigos voltaram e meu filho correu para frente, aí o cachorro pegou ele. Ele falou que não tem muita noção do tempo que durou mas pelo que ele contou a gente imagina de três a quatro minutos”, contou o pai, dizendo que pretende entrar na Justiça contra os donos do animal.

O menino foi socorrido para o Pronto-Socorro da cidade e transferido para um hospital particular em Macaé, onde segue internado. O estado de saúde dele, segundo Luiz, é estável. Ele aguarda o resultado de uma ressonância e está tomando antibióticos por conta dos ferimentos.

Rotwelley atacou o menino nas pernas (Foto: Arquivo pessoal)

Rotwelley atacou o menino nas pernas (Foto: Arquivo Pessoal)

De acordo com o pai do menino, o dono do cachorro chegou a entrar em contato para prestar solidariedade à família por duas vezes, mas eles não sabem se o cachorro continua na vizinhança. Luiz informou que se preocupa com a falta de placas de alerta para a presença de cães ferozes.

A família registrou um boletim de ocorrência na 125º DP (São Pedro) e reclamou de negligência no atendimento. Segundo o pai da criança, nenhuma diligência foi enviada à rua. De acordo com o delegado Jorge Veloso, que acompanha o caso, o dono do animal já foi ouvido na delegacia e vai responder por lesão corporal e omissão na cautela de guarda de animais.

“O autor disse que o cachorro vivia trancado e no dia (do acidente), quando ele chegou ao local, o portão estava arrebentado, com cadeado rompido e por isso o cachorro teria saído. Ele disse que se ausentou por duas horas e deixou tudo trancado. Na rua ele recebeu uma ligação informando do ataque. Ele já se colocou a disposição para ajudar a família”, informou o delegado. Sobre a reclamação da família sobre o atendimento, o delegado disse que vai averiguar o caso.

Fonte G1/Inter TV