morte no Rio

Polícia apura se brigadeirão envenenado por namorada levou empresário à morte no Rio

AÇÕES POLICIAIS AÇÕES POLICIAIS CABO FRIO CABO FRIO CIDADES ESTADO DO RIO

Corpo de homem foi encontrado em estado avançado de decomposição após vizinhos sentirem o cheiro e chamarem socorro.

As investigações da polícia sobre a morte do empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond indicam que ele pode ter sido assassinado com um brigadeirão envenenado. A principal suspeita do crime, a namorada de Luiz, Júlia Andrade Cathermol Pimenta, está foragida.

Luiz, Júlia e o prato que, para investigadores, teria o “brigadeirão” que o envenenou — Foto: Reprodução/G1

O corpo foi encontrado em estado avançado de decomposição, no apartamento onde ele morava, no Engenho Novo, no Rio de Janeiro. O laudo da necrópsia não determina a causa da morte, mas indica que o perito identificou pequena quantidade de líquido achocolatado no sistema digestivo.

As últimas imagens registradas do empresário, da câmera de segurança do elevador do prédio, mostram ele no dia 17 de maio carregando um prato, enquanto Júlia oferece uma cerveja e os dois se beijam. A polícia acredita que existe a possibilidade do prato em que ele segura na imagem já ter o brigadeiro envenenado que o mataria.

A polícia também encontrou um analgésico forte na cena do crime e apurou que Júlia, 9 dias antes da última imagem de Luiz vivo, foi até uma farmácia e pediu medicamento de uso controlado.

Namorada é suspeita de dopar e matar empresário no Engenho Novo com ajuda de cigana

Desde o dia 20 deste mês, a polícia investiga e tenta esclarecer a morte do empresário. O corpo dele foi encontrado por bombeiros, depois que vizinhos acionaram o socorro, incomodados com o cheiro.

Segundo as investigações, Júlia cometeu o crime para ficar com bens e valores da vítima. Ela já é considerada foragida. A polícia também acredita que Julia conviveu com o corpo durante todo o fim de semana.

O corpo de Luiz foi achado no sofá da sala, ao lado de cartelas de morfina. Ele estava sentado, com dois ventiladores ligados — um no teto e outro no chão — em direção à janela, que estava aberta.

A cena chamou atenção e levantou suspeitas de que a morte não tenha sido natural. A polícia foi chamada e fez uma perícia no local. O caso passou a ser investigado pela 25ª DP (Engenho Novo).

Segundo os vizinhos, Luiz Marcelo foi visto pela última vez na tarde de sexta-feira (17), saindo da piscina. Ele estava acompanhado da namorada.

O laudo do Instituto Médico-Legal apontou que ele morreu de 3 a 6 dias antes do corpo ser achado. A causa da morte foi inconclusiva para marcas aparentes e lesões, mas a polícia solicitou exames complementares, que ainda não ficaram prontos.

A namorada foi intimada a depor dois dias depois do cadáver ter sido achado. À polícia, ela disse que saiu da casa de Luiz na segunda após uma briga no domingo, mas informou que ele estava bem e chegou a preparar o café da manhã para ela.

Os investigadores tiveram acesso às imagens do circuito de câmeras do prédio, que mostram Luiz e Júlia na sexta-feira no elevador, indo e voltando da piscina.

Saiu do prédio com malas

A polícia descobriu que Júlia deixou o prédio com malas às 13h da segunda-feira (20). No sábado, ela já tinha saído com o carro de Luiz, mas retornou sem ele.

Ela contou que deixou o veículo na Maré para ser vendido, com a chave na ignição, mas não sabe o que aconteceu.

Os investigadores, no entanto, descobriram que Júlia passou com o carro na Via Lagos, no sentido Cabo Frio. Na cidade litorânea, ela encontrou um casal de amigos, que ficou com o carro. A mulher é uma cigana.

Em depoimento informal prestado à polícia, o homem contou que a cigana pode ter ajudado Júlia a planejar o crime. Segundo ele, as duas ministravam medicamentos à vítima há algum tempo. A cigana foi presa na noite de terça-feira, em Cabo Frio, na Região dos Lagos.

Na delegacia, ela contou que conheceu Júlia há 12 anos e já havia feito “trabalhos” para ela com alguns ex-namorados. Disse ainda que, por conta desses “trabalhos”, Júlia contraiu uma dívida de R$ 600 mil e que vinha pagando, há cinco anos, R$ 5 mil mensais.

Polícia divulga cartaz pedindo informações

Polícia divulga cartaz pedindo informações de Júlia Andrade Cathermol Pimenta, suspeita de matar o namorado — Foto: Divulgação

Polícia divulga cartaz pedindo informações de Júlia Andrade Cathermol Pimenta, suspeita de matar o namorado — Foto: Divulgação

O Disque Denúncia, divulgou nesta quarta-feira (29), um cartaz para ajudar no inquérito policial instaurado pela 25ª DP (Engenho Novo), a fim de obter informações que possam levar à localização e prisão de Júlia Andrade Cathermol Pimenta.

Júlia Andrade Cathermol Pimenta — Foto: Reprodução
Júlia Andrade Cathermol Pimenta — Foto: Reprodução

A cigana revelou que a suspeita trabalhava como garota de programa e que todos os “trabalhos” eram feitos para que os companheiros não descobrissem sua profissão. A Cigana contou que soube da morte de Luiz Marcelo no dia 18, em um churrasco que fez com a amiga logo depois da entrega do veículo.

O carro da vítima teria sido entregue para amortizar a dívida em R$ 75 mil. O veículo, segundo a cigana, foi dado a um ex-namorado, que a ameaçava. Ele também teria recebido roupas e um ar-condicionado da vítima.

Os agentes descobriram também que Júlia recebeu, na segunda, um cartão de conta conjunta com Luiz e usou o celular dele para falar com um homem com quem ele vinha negociando a venda de um imóvel.

Na mensagem, de acordo com a investigação, ela pediu que o comprador adiantasse a transferência de uma quantia de R$ 3 mil.

Depoimento do porteiro

Em depoimento à polícia, o porteiro do prédio onde Luiz morava disse que, no último mês, notou uma mudança no comportamento do morador, “aparentando estar sob efeito de algum medicamento ou droga”. Ao questioná-lo, Luiz disse que estava “passando apenas por um problema de pressão.”

Segundo o funcionário, o morador chegou a apresentar a namorada a ele e disse que ela teria passe livre e uma chave do apartamento. Ele contou que, até o dia da morte, Júlia apresentava um “comportamento normal”, mas, percebeu um nervosismo no sábado (18), quando ela desceu, por volta das 12h30, e pediu ajuda para tirar o carro de Luiz da garagem. Segundo ele, ela voltou às 18h30, sem o veículo. Ao perguntar por Luiz, teria dito “tá doente, acamado em casa”.

Na segunda, dia em que o corpo foi achado, o porteiro falou que Júlia desceu pela manhã perguntando se tinha chegado alguma correspondência. Às 11h, uma carta do banco endereçada a Luiz chegou, e ela desceu para buscar. O porteiro contou que viu, pelo circuito interno de TV, quando Júlia abriu o documento dentro do elevador.

Matéria publicada pelo G1/RJ – Por Felipe Freire, Guilherme Santos, Leslie Leitão, Fernanda Graell, RJ2

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

Polícia Militar Encontra 10kg de Entorpecentes e Diversos Materiais em Cabo Frio
A operação de sucesso resultou na apreensão de uma grande quantidade de …
São Pedro da Aldeia divulga programação religiosa da festa do padroeiro
A Paróquia São Pedro divulgou a programação religiosa, que começa neste domingo …
Fuzil, pistolas, carregadores, munições e drogas são apreendidos em Casimiro de Abreu
Duas pessoas foram presas suspeitas de estarem com o material na madrugada …
Lancha explode e deixa feridos em Cabo Frio
Acidente deixou pelo menos cinco feridos, sendo três crianças, de 1 ano …
Caminhão tomba, pega fogo e atinge dois carros na ViaLagos
Um caminhão carregando telhas tombou, pegou fogo e atingiu dois carros de …
Parceria entre Prefeitura e Governo do Estado oferece cursos gratuitos para mulheres de São Pedro da Aldeia
O objetivo é capacitar as mulheres para que elas possam empreender conquistando, …
Cultura promove 2º Encontro Literário Aldeense nesta sexta (14) e sábado (15)
A Academia de Letras de São Pedro da Aldeia (ALSPA) estará presente …
Carro cai em rio de Araruama na madrugada deste domingo (9)
Segundo o Corpo de Bombeiros, a vítima, um homem de 60 anos, …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *